São Paulo Diverso

O que é?

O São Paulo Diverso – Fórum de Desenvolvimento Econômico Inclusivo é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura de São Paulo (SMPIR), que tem o objetivo de contribuir para o desenvolvimento socioeconômico da população afrodescendente do município, promovendo a diversificação étnico-racial nas empresas.

Assim, busca pensar soluções para o acesso e ascensão de profissionais negros a oportunidades já existentes no mercado de trabalho formal; estimular a adoção de práticas mais inclusivas na gestão interna e de fornecedores nas organizações privadas; além de promover a articulação entre setor privado, empreendedores negros e poder público para a ampliação da oferta de empregos e a criação de novos negócios.

O lançamento do Fórum aconteceu em 2014, em uma realização conjunta com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).  A terceira edição ocorrerá no dia 09 de novembro de 2016, no Anhembi – Auditório Elis Regina, em São Paulo, com o tema “Legislação e diversidade – como as leis podem fortalecer a inclusão racial no mercado de trabalho”. A programação completa do evento pode ser acessada no menu ao lado, em “Agenda do Evento”.

Quem faz?

O Fórum é organizado pela Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial (SMPIR). Criada em 2013, a SMPIR representa um marco na história da cidade de São Paulo no combate às desigualdades étnico-sociais e ao racismo. Essas diferenças ainda representam um grande desafio para o aprimoramento da cidade e do país. Nesse contexto, a SMPIR tem a missão de formular, coordenar e articular políticas e diretrizes para a promoção da igualdade racial e avaliação das políticas públicas de ação afirmativa. A SMPIR busca também promover práticas organizacionais socialmente inclusivas e economicamente sustentadas, tanto para as organizações e órgãos do setor público, como para as organizações privadas, contribuindo para um desenvolvimento socioeconômico e cultural mais inclusivo no município.

Você pode entrar em contato conosco pelos e-mails contato@saopaulodiverso.org.br ou smpircomunicacao@prefeitura.sp.gov.br. 

Por que?

De acordo com o nosso relatório “Igualdade Racial em São Paulo: Avanços e Desafios” (ver aqui), que utiliza dados do Censo 2010 do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, os afrodescendentes constituem 37% da população do município de São Paulo. O relatório também indica a existência de desigualdades sociais e raciais em diversas áreas, como educação, renda e trabalho. Por exemplo, do total de estudantes que declararam haver concluído o ensino superior, 84,4% eram brancos, e apenas 15,6% eram negros. Já no mercado de trabalho, a taxa de desocupação era de 6,3% entre brancos e 9,1% entre afrodescendentes. Para mulheres negras, essa taxa era ainda maior: 11,3%. As diferenças raciais são ainda maiores para jovens de 15 a 24 anos. Entre os jovens de cor branca, o desemprego estava em 14,7%, subindo para 18,8% entre negros e 22,3% entre jovens negras mulheres. No mesmo ano, o rendimento médio de homens brancos era mais que o dobro do que o de homens negros, enquanto mulheres brancas ganhavam quase três vezes mais que as afrodescendentes.

Os índices são fruto do atual modelo de desenvolvimento que acaba reproduzindo as desigualdades sociais e raciais, e faz surgir a necessidade de se pensar alternativas socialmente inclusivas e economicamente sustentáveis. O aumento da diversidade nas instituições que geram emprego e renda é uma ferramenta poderosa para a superação dessas diferenças. Hoje, dezenas de empresas adotam políticas afirmativas, que se estendem também a mulheres, LGBTs e portadores de necessidades especiais. As multinacionais representam mais de 90% das organizações que adotam essas políticas.

Em 2014, o setor público federal implementou cota de 20% para negros nos concursos públicos federais. O mesmo já havia sido feito em 2013 pela Prefeitura de São Paulo por meio da Lei nº 15.939/13. Nos últimos dois anos, mais de 1.000 servidores entraram na Prefeitura por meio das cotas e em posições estratégicas, como procuradores, contadores, professores e auditores fiscais.

O São Paulo Diverso tomou a iniciativa de promover o diálogo entre os três setores diretamente envolvidos nessas políticas: o produtivo, o acadêmico e o público. Além disso, comprometeu-se a divulgar os benefícios que essas medidas trazem para a economia e sustentabilidade das empresas e, consequentemente, para o desenvolvimento econômico. O Fórum surgiu para equacionar as dificuldades e proporcionar fluidez na implementação das políticas inclusivas no Brasil, oferecendo debates que são interações efetivas entre setores da indústria, do comércio, dos movimentos sociais e de instituições públicas, e que consolidam a importância do tratamento racial igualitário no mercado de trabalho.

Como?

Para superar as desigualdades socioeconômicas e raciais verificadas nos dados, é essencial a aliança entre governo, setor empresarial e demais atores sociais na construção de uma agenda direcionada à integração dos grupos historicamente excluídos aos espaços e atividades produtivas nacionais. Nesse cenário, as grandes empresas assumem papel central, devido a sua dinamicidade e relevância na criação de oportunidades e geração de renda.